Lançamento do livro “a história (quase verdadeira) do soldado desconhecido, contada como uma autobiografia”, de Emilio Franzina. Palestra e bate-papo com o autor


O Comitato degli Italiani all’Estero - Comites MG, a Associação Ponte entre Culturas e o Consulado da Itália em Belo Horizonte têm o prazer de convidar para o lançamento do livro: “A historia (quase verdadeira) do Soldado Desconhecido”, do historiador italiano Emilio Franzina, publicado no Brasil pela editora Martins Fontes. O autor, professor de História Contemporânea da Universidade de Verona (Itália) e grande pesquisador da emigração italiana, estará no Brasil especialmente para o lançamento do livro, em Porto Alegre, São Paulo e Belo Horizonte.
Na capital mineira, o evento acontece no dia 17 de junho, sexta feira, às 19 horas, no Museu Histórico Abílio Barreto e integra a programação do VI Seminário sobre Imigração Italiana em Minas Gerais. Após a palestra e bate-papo com o autor, haverá uma sessão de autógrafos.
A palestra terá tradução simultânea.
O evento é aberto ao público e sujeito à lotação do auditório. Para fazer inscrição prévia mande um email para:  seminarioimigracaoitalianamg@gmail.com

O romance narra, em forma de autobiografia, a história de um jovem, filho de imigrantes, nascido em São Paulo em 1892 e morto em circunstâncias singulares no front italiano em outubro de 1918. Através de suas cartas (pertencentes, na verdade, a Américo Orlando, um soldado italiano de São Paulo que também morreu na 1ª Guerra Mundial, na Itália) o autor elabora um quadro sugestivo daquela que poderia ter sido a experiência de guerra de um imigrante, e traça o perfil fascinante da São Paulo italiana no início do século XX.

Resenha

Os limites entre ficção e história talvez nunca tenham se mostrado tão tênues quanto nesta obra de Emilio Franzina. Historiador profissional, o autor faz uso de sua extensa bagagem de pesquisas ao escolher o cenário da Primeira Guerra Mundial para desenvolver essa trama sobre a vida de um herói, a um só tempo múltiplo e único. Múltiplo por se tratar de um personagem fictício, não nominado, que poderia ser, afinal, qualquer soldado em condições semelhantes; único, por sua vez, na medida em que, através da apresentação de diversos detalhes de sua vida pessoal, leva o leitor rapidamente a sentir-se íntimo, cúmplice de sua trajetória. Essa aproximação é bastante reforçada pela narrativa em primeira pessoa, a qual, com seu caráter envolvente de romance histórico, além de prender a atenção do começo ao fim, fornece uma vasta gama de dados sobre a guerra na Itália entre 1914 e 1918.

Brasileiro de nascimento, filho de emigrantes italianos, o protagonista é um jovem cujo sonho de conhecer o país de seus progenitores acaba levando-o a alistar-se voluntariamente no exército italiano, lutando contra a invasão austro-húngara. Cartas, autobiografias e documentos oficiais servem de base para a criação desse personagem que, apesar de fictício, reflete a real situação de muitos daquela época: jovens sonhadores que encontraram seu trágico fim na guerra, tornando-se, cada qual a seu modo, heróis ocultos dos livros de História.

Emilio Franzina 

Professor Titular de História contemporânea na Universidade de Verona (Itália), fundador e diretor do Arquivo Histórico da Emigração Italiana e Presidente do Instituto Veronese de História da Resistenza e de História Contemporânea, é um dos maiores conhecedores da emigração italiana. Autor de livros sobre a história dos séculos XIX e XX e sobre a emigração, Franzina colabora com diversas revistas, entre as quais “ Belfagor” e “Quaderni Storici”; integra o comitê cientifico de algumas outras (Altreitalie, Studi Emigrazione, Italia Contemporanea, etc). Seu campo de investigação é muito amplo e abrange estudos sobre história do desenvolvimento capitalistico e industrial; memória oral; história do movimento catolico a socialista. O tema privilegiado de suas pesquisas, porém, é aquele dos movimentos migratórios, com ênfase na história do Brasil, da Argentina e da America Latina.
Entre os numerosos livros publicados, lembramos: La grande emigrazione. L’esodo dei rurali dal Veneto (Marsilio 1976), I Veneti in Brasile (Accademia Olimpica 1977) Merica! Merica! Emigrazione e colonizzazione nelle lettere dei contadini veneti e friulani in America latina,1876-1902 (Feltrinelli 1979, nuova ed. Cierre Editori 1994 e 2001), Venezia (Laterza 1986) , La transizione dolce. Storie del Veneto fra ‘800 e ‘900 (Cierre 1990), Storia dell’emigrazione veneta dall’unità al fascismo, (ivi 1991 e ss.), L’immaginario degli emigranti, (Pagus 1992), Gli italiani al nuovo mondo . L’emigrazione italiana in America, 1492-1942 (Mondadori 1995), Dall’Arcadia in America. Attività letteraria ed emigrazione transoceanica in Italia, 1850-1940, (Edizioni della Fondazione G.Agnelli 1996), La storia altrove. Casi nazionali e casi regionali nelle moderne migrazioni di massa (Cierre 1998),   Storia dell’emigrazione italiana (condir.), 2 voll.(Donzelli 2001-2002) e ,con Matteo Sanfilippo, Il fascismo e gli emigrati, (Laterza 2003).
Emilio Franzina dedica-se também à produção e à pesquisa musical , tendo  publicado inclusive dicionários e coletâneas musicais (Inni e canzoni, Laterza 1995; Innodie proletarie (Editori Riuniti 1999),  Canzoni di emigrazione (in Donzelli 2001 cit.).

Programação completa do seminário: https://goo.gl/KiRBOV
Tel. e whatsapp (31) 996800109